quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Pequenas idéias, grandes bobagens?


Estive pensando: o que causa a "hora do rush" no trânsito é o fato de todos os trabalhadores terminarem suas jornadas de trabalho no mesmo horário. Com isso, todos voltam para casa ao mesmo tempo, e, inevitavelmente, as ruas ficam lotadas de veículos, e os ônibus com pessoas transbordando pelas janelas. Geralmente, a jornada de trabalho começa por volta das 8h e termina às 18h; próximo desses horários que ocorre a grande baderna de veículos. Uma possível solução: as empresas criassem jornadas de trabalho em horários diferenciados. Por exemplo:

  • Grupo 1: das 7h às 17h;
  • Grupo 2: das 8h às 18h;
  • Grupo 3: das 9h às 19h
Com isso, as empresas se dividiriam para revezar esses horários diferenciados. Os trabalhadores iriam para suas casas em horários distintos, o que, possivelmente, não sobrecarregaria tanto o trânsito. Poderia trazer outro benefício: o trabalhador teria tempo para consumir. Muitos amigos que trabalham no comércio criticam o fato de todas as empresas fecharem no mesmo horário, não dando oportunidade para eles comprarem. Os que podem fazer isso no fim de semana tem que encarar a superlotação no comércio.
É mais fácil enxergar essa solução em cidades menores. Será que daria certos nas grandes metrópoles? Ajudaria em alguma coisa? Traria outros problemas?

5 comentários:

Fillipe Tesch disse...

Isso já é realidade me muitas empresas. A empresa que em que trabalho inicia o expediente a partir das 09:00 da manhã. A experiência é bem positiva. Não pego praticamente transito nenhum para o trabalho.
Mas o problema, ao meu ver, é que a maioria dos empreendedores (principalmente em pequenas cidades) são velhos e ultrapassados, e só querem saber de continuar ganhando do dinheiro deles sem se preocupar com os problemas da cidade em que vivem.
É triste mas é a realidade.

Fillipe Tesch disse...

Outra ótima idéia é deixar o carro em casa e ir trabalhar/estudar de bicicleta ^^

@jebedaia disse...

Só uma palavra pra descrever isso: Tenso.

Pior que é nessas horas que o ladrões fazem a festa, mó perigo msm.

cHiPs disse...

Eu, sou um grande defensor da jornada de 6h/dia.

Existem vários estudos que mostram que o desempenho de uma pessoa que trabalho 6h (e portanto, não precisa de intervalo de almoço(1h mínimo) é muito superior a alguém que trabalha 8/9h com intervalo de no mínimo 1h no meio.

Pessoas trabalhando 6h, daria pra manter as atividades das empresas, em 2 escalas (poderiam ser mais, várias), por no mínimo 10h, dando assim, oportunidade para aqueles que estavam trabalhando consumirem mais, e portanto, girar a economia.

Se eu tenho melhora no desempenho dos empregas e possibilidade de aumento de consumo, já é bom para o mercado, fora os benefícios que podem ser vistos para a familia, possibilidade e tempo para se dedicar a estudos/sociedade, etc...

Nosso maior problema é que as leis, o governo e seus poderes, não estão sendo capazes de acompanhar a dinâmica em que o mundo está atualmente, e portanto, acabam, de certa forma, através de leis "rígidas", engessando o desenvolvimento.

Inkling disse...

Em São Paulo isto já é uma realidade. Principalmente no comércio e restaurantes/lanchonetes, onde há 2 ou 3 turnos de trabalho.
O problema é que o "poder" público não percebe isso, e quem trabalha fora do "horário normal" se vê refém de um sistema de transporte que retira ônibus, trens e metrôs de circulação, o que faz que em que qualquer horário eles fiquem lotados.
E aí qualquer horário é horário de rush....

Postar um comentário

Deixe seus comentários / críticas / elogios.

OBS: Os comentários dos leitores não refletem as opiniões do blog.