quarta-feira, 9 de junho de 2010

It's all about people...

O título não é mas bem que poderia ser sobre o final de história de um acidente aéreo de um grupo de pessoas numa ilha cheia de mistérios, mas é sobre algo mais palpável e explicável até certo ponto: Nossas vidas, carreiras, trabalhos...

Após refletir um pouco, cheguei a conclusão: de nada importa o produto, o serviço, o feito, o ego, o cargo, o salário... se atrelado a isso não estiverem as pessoas e os relacionamentos construídos com elas. Explico:


Noite de domingo, estava conversando com 2 amigos de longa data - daqueles que parando para contar a quantidade de anos, te faz sentir mais velho - sobre nossa época de escola, jogos, e nossos feitos... acabamos num papo sobre um MMRPG (Ultima Online, um dos primeiros do gênero, que jogamos por volta de 1998 à 2001) no qual "dedicamos" praticamente 2 anos de nossas vidas ao invés de nos dedicarmos à escola, e estavamos comentando sobre nossos feitos, sobre coisas que descobrimos/inventamos dentro do jogo - coisas que nunca tinham side feitas antes, sobre a "moral" e "fama" que tinhamos no servidor, sobre um catatal de coisas que fizemos em 2 anos de vida online sob um personagem que refletia a nós mesmos na vida real.

Parando para pensar, não é nada diferente do que sua vida profissional. É um jogo que você joga com outras pessoas, com objetivos comuns, sob regras comuns, em cima das quais você tenta inovar, criar, fazer acontecer com o objetivo de ter "moral" e "fama" que vai refletir no seu crescimento profissional, até que você mude de jogo.

Mas por um momento, notei que nosso papo não era na verdade sobre nossos feitos, mas sim sobre o que nós (pessoas) vivemos juntos... o que fizemos na época serviu de experiência específica pra aquilo, mas hoje, não tem importância nenhuma - nem registro na internet, procurei pela web e não achei nada sobre isso a 10 anos atrás -

O mais importante de tudo, foram os relacionamentos desenvolvidos, relacionamentos que fizeram 3 amigos ingame, moradores de Brasília-DF, virem ficar em nossas casas no interior do ES... pessoas, na verdade, garotos, que nunca haviam se conhecido pessoalmente estavam aqui, criando um relacionamento por causa de um objetivo comum: nesse caso, o jogo.

Uma pena eu não ter contato mais com essa galera, e também me arrependo de não ter mais contato e relacionamento com um monte de colegas/amigos que tive durante vários empregos, cursos, faculdade, whatever...

Mas, #ficaadica : Tenha uma atenção especial para seus relacionamentos, as coisas mudam, trocamos os jogos, hoje trabalhamos aqui, daqui um ano em outro lugar, empresas abrem, empresas fecham, hoje gravamos podcasts, amanhã essa mídia pode nem mais existir, mas as pessoas, seus relacionamentos, continuarão lá, sempre existirão...



...até que as pessoas morram!

3 comentários:

Almighty disse...

Neste último ano de faculdade, estou vendo a real importância dessas amizades. Tenho planos de montar escritório de advocacia com alguns, e outros projetos mais mirabolantes com outros.
Ótimo texto, Chips, principalmente pelo fator nostálgico daquela época do UO.

Psycrow disse...

Isso é fato. Relacionamentos são a essência de qualquer pessoa. Mais do que uma carreira bonita ou um contra-cheque gordo, acredito que seu círculo de amizades deva ser o mais profundo possível. O homem não é ninguém sem amigos para compartilhar seus feitos e alegrias, ao menos não me sentiria homem se não tivesse alguns poucos amigos que me fazem em sentir bem e querido, mesmo diante de outros amigos.

Infelizmente tenho poucos assim, mas não abro mão de nenhum nunca jamais.

Beakman disse...

Porra bateu uma nostalgia foda vendo esse char de UO, horas e horas jogando no Hell Fire para subir 0.01 de Tamming eu era feliz e não sabia

Postar um comentário

Deixe seus comentários / críticas / elogios.

OBS: Os comentários dos leitores não refletem as opiniões do blog.